Como melhorar os níveis de auto-estima e como perceber o que a prejudica!

Será que é possível melhorar a minha autoestima?

Muito se fala em autoestima e como ela afeta a nossa vida a vários níveis. No mercado do desenvolvimento pessoal existem inúmeras linhas de pensamento que todas elas apontam caminhos de sucesso.

No artigo de hoje vou tentar de uma forma resumida passar as estratégias e conceitos que mais se aplicam a esta temática.

como-melhorar-a-autoestima

Não se esqueça que este artigo apenas aponta a minha opinião. Ele não representa a realidade dos factos. Não sou nenhum especialista no tema, pelo que se está a lidar com questões importantes ligadas à auto-estima ou outras questões ditas emocionais, talvez a melhor solução será procurar um especialista que o possa ajudar de uma forma mais específica.

Assim sendo, e estando o leitor esclarecido vamos falar um pouco da autoestima.

Afinal o que é a autoestima e como isso é importante para os seres humanos!

Em primeira mão irei dizer que a autoestima está relacionada com a forma como você se ama e como se aceita, de forma incondicional, independentemente do contexto externos. Quando me refiro a contextos externos refiro-me a aparências, à condição sócio-económico, entre outras.

Segundo os especialista aquilo que afecta em grande medida a autoestima, são algumas experiências passadas principalmente na infância de rejeição. As crianças desenvolvem o amor próprio através do amor que recebe dos pais e adultos à sua volta, em busca de aprovação e manifestações de elogio e afecto.

E quando o afecto e elogio adequados não estão presentes?

Aí é que parece estar o problema, mas que muitas vezes é ignorados pelas nossas sociedades e até se fecha os olhos a esta necessidade de ensino a pais, amigos e filhos. Um fenómeno típico e que acontece em paralelo é o excesso de crítica e experiências geradoras de sentimentos de rejeição e de inferioridade para a crianças, como: abandono, desprezo, indiferença e comparações negativas…

Nestas condições a criança tende a desenvolver uma noção equivocada de si própria, de que não tem valor e começa a ser bastante crítica consigo própria. O que acontece normalmente quando a criança recebe em dose adequada por parte dos outros o “amor incondicional”.

desenvolver-o-amor-incondicional

Quando essa questão está digamos em dose adequada a criança cresce percebendo que é digna de amor e esse sentimento cresce também e a criança também aprende a amar-se. E naturalmente com a evolução a criança vai percebendo e sentindo que tem valor, e vai deixando de dar preferência ao amor externo, e passa a sentir que esse valor vem de dentro.

Normalmente quando a criança está com a dose ideal de amor próprio tende a viver alinhada com os seus valores e identidade. Acontece que são pessoas que vão atrás daquilo que querem com alegria e confiança. Acreditam que têm dons especiais e merecem viver os seus propósitos de vida. São pessoas que reconhecem o seu potencial e vão atrás daquilo que pretendem e acabam por saborear melhor as suas vidas, como o exemplo um livro que pode ler onde fala melhor do meu objectivo de vida maior.

Qual a melhor abordagem para melhorar a auto-estima?

Uma estratégia que parece ser comum a todas as linhas de pensamento, passa por identificar algumas situações ou padrões comportamentais do passado que possam estar a exercer influência no presente.  A partir daí, é importante perceber a forma como a pessoas as representa e a forma como consciente ou inconsciente isso influencia a sua dimensão emocional e comportamental.

Nomeadamente algumas crenças e convicções limitantes que a pessoas nem sequer sabe que desenvolveu, assim como alguns sentimentos e pensamentos que a criança desenvolveu e tende a desenvolver em situações relacionadas.

Parece um processo, e não propriamente algo que possa ser resolvido e melhorado numa intervenção. Pelo que convém sublinhar a importância de um acompanhamento personalizado e dedicado por parte de quem necessita de melhorar a sua autoestima.